Policiamento Ambiental

Polícia Militar do Estado de São Paulo

Main Content

POLICIAMENTO FLORESTAL

14 de dezembro de 1949

O Decreto nº 19.008-A/49 regulamentou e organizou a Polícia Florestal do Estado de São Paulo, atividade pioneira na América do Sul, cujo primeiro Comandante foi o 1º Tenente da Força Pública Odilon Spínola Neto, incumbida pelos serviços de fiscalização e guarda das florestas existentes em todo o território bandeirante, das reservas florestais oficiais, e, ainda, com o dever de cumprir e fazer cumprir as determinações legais no tocante à defesa das matas, ao reflorestamento, à caça e à pesca.

E em dezembro do mesmo ano foi designada a primeira unidade do Policiamento Florestal, que começou a funcionar junto ao Instituto Florestal, no Horto Florestal, na Capital Paulista. ​

Inicialmente foram destacados 28 policiais da Força Pública, com a missão de proteger o patrimônio florestal do Estado. O efetivo foi aumentando a cada ano, e em 1963 já estava fixado em 552 policiais.

O Primeiro Comandante

O Tenente Odilon Spínola Neto teve a missão de organizar e planejar a fiscalização ambiental no Estado, a tarefa foi iniciada em 14 de dezembro de 1949 e concluída em 31 de agosto de 1950.

Pioneirismo

A necessidade de fiscalizar a pesca no mar, rios e represas tornou o Policiamento Florestal, já naquela época, pioneiro na concepção das técnicas de Policiamento Náutico, tornando-se ao longo do tempo referência nessa modalidade.

Desafios Territoriais

Com a abrangência territorial do Estado de São Paulo, o Policiamento Florestal era subordinado à Secretaria de Agricultura da qual recebia recursos materiais, já o efetivo era composto por policiais da Força Pública.

Main Content

POLICIAMENTO DOS RECURSOS NATURAIS (1971 a 1974)

POLICIAMENTO FLORESTAL E DE MANANCIAIS (1975 a 2001)

No período de 1971 a 1974, o órgão era denominado Policiamento dos Recursos Naturais. Em 1975 passou a integrar a Segurança Pública do Estado de São Paulo e a chamar-se Policiamento Florestal e de Mananciais.

Até 1976 a Florestal contava somente com um único batalhão operacional que era responsável pela fiscalização em todo o Estado, quando aconteceu a primeira grande mudança na matriz organizacional, que foi a criação do 2º Batalhão.

Entre 1986 e 1989, ocorrem finalmente as criações do Comando do Policiamento Florestal, do 3º e do 4º Batalhão. E o Policiamento Florestal passou a integrar também a Secretaria do Meio Ambiente. ​

Com a evolução e importância que as questões de meio ambiente ganharam na sociedade nas últimas décadas, a Polícia Militar, pela sua eficiência e eficácia, adquiriu e ampliou suas missões e atribuições neste cenário. Por isso, no ano de 2001, houve a necessidade de adequação do nome da sua unidade especializada para Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Confira outras fotos e fatos históricos do Policiamento Ambiental no nosso álbum de memórias institucionais.

Contribua para a preservação da nossa memória institucional, envie material para cpambfotos@policiamilitar.sp.gov.br

Educação Ambiental

Os primeiros registros de atividades de Educação Ambiental realizadas pelo Policiamento Ambiental datam de maio de 1962.

Viaturas

As viaturas que compuseram a frota do Policiamento Ambiental ao longo de sua história sempre tiveram que ser versáteis para servir nas mais diversas modalidades de policiamento.

Fardamento e Identidade Visual

Apesar das mudanças e aprimoramentos no fardamento, algumas características sempre se mantiveram intactas, como por exemplo as botas de cano alto, que protegem o policial nas incursões pela mata.

ALARMA DA VIDA

Canção do Comando de Policiamento Ambiental

Letra e Música: Cel PM Luiz Eduardo Pesce de Arruda

Vigilantes guardiões das florestas
Sentinelas dos rios e do mar
As reservas, a flora e a fauna
É nossa missão preservar

Frente ao abate inclemente
Às matas damos guarida
Contendo a caça e a pesca
Nosso olhar é o alarma da vida

Sou Patrulheiro Ambiental
Disciplina ideal!
Sempre alerta – noite e dia
Eu defendo a Lei e a Ecologia

Servir, proteger, sem descanso
Honrados, constantes, leais,
E, ao futuro, juramos
Legar fartos mananciais

E, se em defesa da vida
A vida houver que ofertar
Sem temor, a deporemos
Do Criador, no Altar

Sou Patrulheiro Ambiental
Disciplina ideal!
Sempre alerta – noite e dia
Eu defendo a Lei e a Ecologia

Histórico

A Canção do Policiamento Ambiental, com o título de “Alarma da Vida” começou a ser composta no dia 20 de outubro de 1993, na APMBB, pelo então Capitão PM Luiz Eduardo Pesce de Arruda. Nessa ocasião surgiram os primeiros versos e o refrão da canção, inspirados pelas descrições fornecidas pelo Capitão PM Vanderlei Manoel de Oliveira.

O projeto foi retomado em 1999, quando ganhou mais uma estrofe, e, finalmente finalizado em 2018. Quando o autor inspirado pelas palavras do Comando do Policiamento Ambiental, Coronel PM Homero de Giorge Cerqueira, definiu os últimos versos e o título da canção. O arranjo foi registrado musicalmente pelo Cabo PM Reginaldo Budai, do Corpo Musical da PMESP.

“Com esta canção, que fiz pensando na luta e sacrifício diuturno de meus companheiros, homens e mulheres do Policiamento Ambiental, tenho a expectativa de que possam encontrar, nestas palavras e na melodia, uma maneira de também expressar seus sentimentos e compromissos em defesa de todas as formas de vida”.

O Coronel PM Luiz Eduardo Pesce de Arruda é professor universitário, Doutor em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública pelo CAES/PM, especialista em liberdades públicas e segurança interior (École Nationale d’Administration– ENA – Paris). Comandou a Escola Superior de Soldados e foi Diretor de Ensino e Cultura da Polícia Militar do Estado de São Paulo.