Digitalização acervo histórico.

Os surgimentos de escâneres e de máquinas fotográficas digitais, aliados ao aumento da memória dos computadores pessoais e dos suportes facilmente transportáveis, como CD-Rom, DVD, pendrive, deram condições à digitalização de diferentes tipos de documentos. Ainda está longe do fim do papel no dia a dia, mas é um processo que tem crescido nos últimos anos. A Revista Força Policial vai digitalizando o seu acervo

Em 2016, resolvemos juntar todos os exemplares  que existiam começando com as edições de 1944  e transformar em uma única coleção, o acervo histórico da Revista a Força Policial.Uma parcela ainda pequena do acervo da revista a Força Policial do ano de 1994 à 2010  está disponível em formato digital. Mesmo os conteúdos digitais tendo o risco de se apagarem, seja por desgaste da mídia seja da memória de computadores, ele é, hoje, uma forma eficaz de se manter conteúdos ao longo do tempo. Assim como DVDs e HDs (hard discs) podem se danificar, o suporte tradicional, o papel, também se desgasta.

Em breve será possível visualizar as primeiras edições da Revista Militia que foram publicadas a partir do ano 1947, todo material esta sendo digitalizado por profissionais especializados em preservação em microfilmagem de documentos históricos, restaurando páginas amareladas e rasgadas e recuperando capas originais. Ou ainda, renovando-as, porém com ares de antigamente, para resgatar a vida desses exemplares que atravessaram os tempos, ou daqueles de algumas décadas atrás, mas que trazem consigo histórias carregadas de afeto.
O acesso é livre. Qualquer um pode consultar e baixar esse acervo. É uma forma de dar acesso e também de preservar. No momento em que você divulga o conteúdo de uma informação, você também está preservando ele. Não é só preservar o suporte, o papel onde ele está escrito, é importante você preservar o conteúdo, e você preserva disseminando-o.